Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.7/5 (1816 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página



https://www.youtube.com/watch?v=sWpAZX6obuc


SAIBA O QUE SÃO OS GPR,S!
SAIBA O QUE SÃO OS GPR,S!

SAIBA O QUE É UM GPR
por Miguel Garcia em 17 de fevereiro de 2008, 23:48

É como colocar os olhos nas entranhas da Terra para dar uma olhada no interior. Suas aplicações potenciais são variadas: pode ser usada para localizar minas antipessoal, valas comuns, restos arqueológicos ou mamutes fossilizados; É capaz de detectar rachaduras internas em enormes blocos de mármore e contaminação nas águas subterrâneas; e é útil para o planejamento de obras públicas, pois permite 'ver' o que há embaixo antes de inserir uma escavadeira (e quebrar um cano, por exemplo). O que é? Chama-se geo-radar ou GPR (sigla para Radar de penetração no solo).

A máquina foi adquirida há um ano e meio pelo Grupo de Eletromagnetismo de Granada, dirigido pelo professor Rafael Gómez, que diz que ficaria feliz em servir com ele, em particular, a sociedade de Granada e da Andaluzia. O professor viajou para o Canadá e pagou cerca de 13 milhões de pesetas - de seus projetos de pesquisa - para obter um dispositivo sobre cuja tecnologia ele e seu grupo pesquisam há anos.

Para Gómez, a coisa mais interessante sobre o GPR é que ele faz "raios-x do subsolo para obter informações - e isso é muito importante - de maneira não destrutiva". Isso permitiria, por exemplo, analisar o solo de uma área tão delicada e protegida quanto a Alhambra para encontrar seus 'tesouros' enterrados.

O geo radar, não muito maior que um aspirador de pó doméstico, consiste em duas antenas: uma que emite radiação eletromagnética - especificamente, microondas - que se propaga no subsolo e outra que recebe o sinal refletido pelos objetos que possuem diferentes características que seu entorno. O GPR detecta as variações das propriedades eletromagnéticas do terreno.

O dispositivo se move sobre uma área previamente definida e é capaz de localizar objetos com até 10 metros de profundidade: depende da composição do solo - por exemplo, as ondas são menos atenuadas em gelo ou mármore do que no chão e, portanto, a 'imagem' é melhor - e o tamanho desses objetos - não é o mesmo procurar um mamute do que uma mina antipessoal. A frequência das ondas usadas também varia dependendo do tipo de pesquisa.

O monitor da máquina oferece uma imagem em tempo real que, embora imprecisa, serve para saber se as medidas estão sendo feitas corretamente. As informações são armazenadas e processadas no computador: as imagens resultantes permitem apreciar muito mais a presença de 'algo' no subsolo.

O que você está procurando

O especialista esclarece que o GPR é útil quando você sabe ou, pelo menos, intui o que está procurando. «Se você começar a explorar em um lugar onde não sabe o que espera, não deduz nada». Por exemplo: o geo-radar é muito prático para estudar o interior de blocos de mármore, porque, se detectar uma irregularidade, é fácil deduzir o que é: uma rachadura ou uma impureza. A experiência indica que não pode ser outra coisa.

Em outras áreas, a colaboração entre diferentes cientistas é muito importante. Assim, para procurar restos arqueológicos, não faz sentido fazê-lo em qualquer lugar do campo: é necessário que um arqueólogo indique uma área específica em que, tanto os dados históricos, quanto os 'trilhos' dados pela própria paisagem, indiquem a presença de construções , peças fabricadas ou restos humanos.

Gomez acredita que existe outro GPR na Andaluzia e um pouco mais na Espanha, pois empresas privadas começam a assumi-los para estudos clandestinos com diferentes propósitos. Mas ele está convencido de que um geo-radar em mãos de especialistas não é "subutilizado", pois não é fácil interpretar seus resultados. Portanto, uma das linhas de pesquisa do Grupo Eletromagnetismo é o design de 'software' que permite uma interpretação mais precisa das 'leituras' do GPR, em virtude de sua aplicação específica.

E é que as utilidades dessa tecnologia - que surgiram nos anos 70, experimentaram um boom nos anos 90 e hoje é tema de um congresso internacional semestral - são quase ilimitadas. A localização de minas, conchas não explodidas, zulos ou bunkers foi seu primeiro papel. E, como em outros campos científicos, há anos sua aplicação militar "puxa" essa tecnologia, afirma Rafael Gómez.

Em seguida, tem sido usado em muitas outras áreas. Na geofísica, medir as diferentes espessuras de gelo na Antártica ou localizar aquíferos; recentemente, na exploração da superfície de Marte; determinar a qualidade das veias de pedra, mármore ou mineral; localizar restos arqueológicos; detectar umidade, rachaduras ou outros riscos em edifícios e monumentos antigos; ou planejar obras públicas sem abrir espaço. Poderia até colaborar na busca de valas comuns da Guerra Civil.

O professor de eletromagnetismo lembra que, em uma cidade como Granada, onde restos arqueológicos aparecem toda vez que uma pedra é levantada, e

https://pt.wikipedia.org/…/Radar_de_penetra%C3%A7%C3%A3o_no…